O Esqueleto Humano

Crânio

O crânio guarda e protege o cérebro. Tem 22 ossos individuais mas apenas a mandíbula ou maxilar inferior é móvel, todos os outros estão ligados por articulações imóveis, ou seja, que não se mexem.

A abóbada craniana, onde está o encéfalo, é formada por 8 ossos que podem ser pares ou ímpares. São eles os parietais, os temporais, o frontal, o occipital, o esfenoide e o etmoide.

O esqueleto da face é constituído por 14 ossos. Os mais pequenos, os chamados ossículos, o martelo, a bigorna e o estribo encontram-se no ouvido interno.

Omoplata

A omoplata, escápula ou espádua, é um osso grande, plano, em forma triangular, localizado na parte superior do ombro. Juntamente com a clavícula, faz a ligação dos braços ao tronco.

Clavícula

A clavícula é um osso encurvado, que permite o movimento do ombro. A clavícula e a omoplata formam a cintura escapular.

Esterno

O esterno é um osso plano em forma de punhal, sustenta as costelas e as clavículas e está localizado na parte anterior da caixa torácica, a meio do peito.

Úmero

Úmero é o osso mais comprido dos membros superiores e o mais forte do braço.

Costelas

As costelas funcionam como uma armação protetora do coração, dos pulmões e dos grandes vasos sanguíneos como a aorta e as artérias. Os ossos alongados formam um semi-arco que liga as vértebras da coluna dorsal ou torácica ao esterno. Existem 7 pares de costelas verdadeiras, 3 pares de costelas falsas e 2 pares de costelas flutuantes.

Coluna

A coluna vertebral ou espinha dorsal, tem 33 vértebras sobrepostas, que servem de apoio a outras partes do esqueleto e estão ligadas entre si por articulações ou discos intervertebrais que não são completamente móveis. As vértebras, ossos arredondados com saliências que mudam de altura e diâmetro conforme a sua localização, formam um canal que protege a espinal medula.

Cubito

Cúbito e rádio são ossos mais delgados do que o úmero e ficam na parte inferior do braço ou antebraço.

Rádio

Cúbito e rádio são ossos mais delgados do que o úmero e ficam na parte inferior do braço ou antebraço.

Falanges das Mãos

A mão é constituída por 27 ossos e divide-se em três partes: carpo, metacarpo e falanges. O carpo ou pulso liga a mão ao antebraço e é composto por 8 ossos, denominados ossos cárpicos. O metacarpo tem 5 ossos cilíndricos, os metacárpicos, localizados na palma da mão. As falanges são os 14 ossos flexíveis e articuláveis dos dedos. Todos têm 3 falanges à exceção do polegar que tem duas.

Pélvis

A anca ou cintura pélvica articula o tronco com os membros inferiores. É composta por dois grandes ossos simétricos laterais, os ossos ilíacos que constituem a pélvis, uma estrutura em forma de bacia. Os ilíacos são formados por 3 ossos soldados :o ílio, o ísquio e o púbis.

Fémur

O fémur, é o osso mais longo, o mais volumoso e o mais resistente do esqueleto humano. É o único osso da coxa.

Rótula

A rótula ou patela, é um osso pequeno arredondado que protege a articulação do joelho.

Perónio

O perónio fica na parte externa da perna, é mais fino e menos resistente do que a tíbia.

Tíbia

A tíbia é um dos dois ossos da perna, paralelo ao perónio mas mais comprido e volumoso do que este.

Falanges dos Pés

O esqueleto do pé tem 26 ossos divididos por três partes distintas: tarso, metatarso e falanges. O tarso, na zona do tornozelo, tem 7 ossos que permitem a articulação entre a perna e o pé. O metatarso é composto por 5 ossos compridos que correspondem a cada um dos dedos do pé. As falanges são os 14 ossos dos dedos do pé e cada um tem 3 falanges à exceção do primeiro que só tem duas.

Sistema Cardiovascular

Introdução

O coração que sentimos a bater no peito é o símbolo máximo da vida. Pequeno no tamanho, musculoso e oco, o coração é um órgão vital, responsável pelo sangue transportar nutrientes e oxigénio a todas as células do organismo. Para que isto aconteça, o sangue movimenta-se em dois circuitos diferentes: um mais longo que chega aos órgãos principais, outro mais curto que passa pelos pulmões. Só num dia, o sangue viaja quase 20 mil quilómetros.

Na pequena circulação ou circulação pulmonar, o sangue pobre é bombeado do ventrículo direito pelas artérias pulmonares até aos pulmões para se reabastecer de oxigénio e libertar o dióxido de carbono que é expirado pelo nariz ou pela boca. O circuito fica completo quando o sangue regressa com oxigénio ao coração pelas veias pulmonares entrando na aurícula esquerda.

Na grande circulação ou circulação sistémica, o sangue enriquecido com oxigénio é bombeado do ventrículo esquerdo para a aorta que se ramifica em vários vasos para os órgãos do corpo onde vai libertar oxigénio e nutrientes. Em troca recebe dióxido de carbono e resíduos e regressa pelas veias cavas ao coração entrando na aurícula direita.

Circulação Sistémica

A circulação sistémica leva sangue arterial ou sangue rico em oxigénio às diferentes partes do organismo e traz sangue venoso para o coração que o impulsiona para a circulação pulmonar.

  1. Sangue com oxigénio vai da aurícula esquerda para o ventrículo esquerdo que o bombeia através da aorta, a artéria principal, para levar oxigénio a todo o organismo.
  2. Os capilares abastecem as células e levam de volta dióxido de carbono
  3. Sangue que recebeu dióxido de carbono das células vai dos capilares para o ventrículo direito pelas veias cavas, as veias principais.
  4. Sangue pobre em oxigénio entra para o ventrículo direito donde é bombeado para os pulmões.

Circulação Pulmonar

A circulação pulmonar leva sangue venoso ou sangue com dióxido de carbono aos pulmões de onde traz sangue arterial até ao coração através das veias pulmonares. A passagem de sangue venoso a arterial chama-se hematose.

  1. O ventrículo direito do coração bombeia sangue com dióxido de carbono, através das artérias pulmonares para os dois pulmões
  2. O sangue é levado pelos vasos sanguíneos até chegar aos mais pequenos, os capilares, que entram em contacto com os alvéolos pulmonares
  3. Nos alvéolos, o sangue troca dióxido de carbono por oxigénio. O sangue enriquecido, faz o percurso inverso: viaja dos vasos mais pequenos até aos vasos de maior calibre que formam as veias pulmonares.
  4. Sangue oxigenado entra na aurícula esquerda donde passa ao ventrículo direito, novamente pronto para ser bombeado pelo coração para todos o corpo. Recomeça tudo.

O Coração

O coração tem a forma de um cone achatado e o tamanho de uma mão fechada. Num adulto pesa 275 gramas, mede 98 milímetros de altura e 105 milímetros de largura. Está situado atrás do esterno, no meio da cavidade torácica entre os dois pulmões e é ligeiramente inclinado para o lado esquerdo. É um órgão formado por anéis fibrosos, nervos, músculo - o miocárdio- forrado por uma membrana externa - o pericárdio- e por outra interna - o endocárdio.

Divide-se em 4 cavidades: duas aurículas e dois ventrículos. As aurículas têm paredes finas e rugosas por dentro. Ficam na arte superior do coração e comunicam com os ventrículos através de válvulas que controlam o fluxo de sangue. São mais pequenas do que os vizinhos ventrículos. Os ventrículos têm paredes mais espessas e rugosas por dentro. Ficam na parte inferior do coração e são maiores do que as aurículas.

O coração assegura a circulação do sangue e trabalha como uma dupla bomba: chama para os ventrículos e para as aurículas o sangue das veias e empurra-o pelas artérias aorta e pulmonar para os vasos sanguíneos. Os dois lados do coração trabalham ao mesmo tempo mas estão separados por um septo. Na parte direita circula sangue venoso e na parte esquerda circula sangue arterial.

As Veias

A circulação pulmonar leva sangue venoso ou sangue com dióxido de carbono aos pulmões de onde traz sangue arterial até ao coração através das veias pulmonares. A passagem de sangue venoso a arterial chama-se hematose.

As Artérias

As artérias têm umas válvulas que impedem que o sangue que transportam do coração para as arteríolas volte para trás. As paredes são mais espessas do que as das veias.

As Vénulas

As vénulas recebem o sangue da rede capilar e transportam-no para as veias. São vasos mais largos do que os capilares.

As Arteriólas

As arteríolas são ramificações das artérias que levam o sangue para a rede capilar.

Os capilares

Os capilares são os pequenos vasos sanguíneos com paredes muito finas que entram em contacto com as células, abastecem-nas de sangue e recebem dióxido de carbono. Quando estão perto das arteríolas chamam-se capilares arteriais, próximos das vénulas são os capilares venosos.

Sistema Digestivo

Introdução

O sistema digestivo transforma alimentos em nutrientes para serem utilizados pelas células nas suas variadas funções: para fornecer energia, para construir e para defender o organismo. Tudo o que não é absorvido é eliminado através das fezes. A água, os minerais e as vitaminas passam pelo tubo digestivo, mas ao contrário de outros nutrientes, são absorvidos sem entrarem no processo da digestão.

Demoramos cerca de 4 horas a fazer a digestão e são necessários cerca de três dias para os alimentos viajarem no nosso organismo.

O tubo digestivo é formado pela boca, esófago, estômago intestino delgado, intestino grosso e ânus. As glândulas anexas incluem as glândulas salivares, o fígado e o pâncreas.

Boca

O longo processo da digestão começa na boca onde os alimentos são misturados, mastigados e triturados através da ação da língua, dentes e glândulas salivares. Na saliva encontram-se enzimas que iniciam o processo de decomposição dos glícidos. Aqui forma-se o bolo alimentar, ou produto da digestão da boca.

Galndulas Salivares

...

Esófago

O bolo desce para o esófago de onde é empurrado através de contrações musculares ou movimentos peristálticos para o estômago.

Ver vídeo

Figado

O fígado é a maior glândula do corpo humano, situada na parte superior direita da cavidade abdominal, sob o diafragma, acima do estômago e dos intestinos. Pesa em média 1,8 kg, mede cerca de 22 centímetros de largura e 17 de comprimento. O fígado produz bílis que absorve gorduras, neutraliza a acidez do quimo (produto da digestão no estômago) e elimina do organismo substâncias tóxicas como álcool e medicamentos. Esta glândula do sistema digestivo serve ainda de depósito a nutrientes que depois são absorvidos.

Estomago

O estômago é um órgão em forma de saco, localizado na parte superior do abdómen, cujo tamanho varia de pessoa para pessoa. As paredes musculosas do estômago movimentam o bolo de um lado para o outro (movimentos peristálticos) misturando-o com as secreções gástricas ou sucos gástricos poderosos e corrosivos como o ácido clorídrico, que dividem as grandes moléculas em nutrientes cada vez mais simples. A este produto de digestão no estômago chama-se quimo.

Ver vídeo

Pâncreas

O pâncreas é uma glândula que se encontra atrás do estômago, no quadrante superior esquerdo da cavidade abdominal, abaixo das costelas. Tem uma forma achatada semelhante a uma folha, mede cerca de 15 centímetros e pesa em média 70 gramas. O pâncreas é uma glândula com funções endócrinas e exócrinas. Segrega suco pancreático que envia para o duodeno, no intestino delgado, para decompor as substâncias gordas. Também produz insulina, a secreção interna, que controla a concentração de glicose no sangue e, que se não for produzida na quantidade certa provoca a diabetes.

Intestino Delgado

O intestino delgado é um tubo com mais ou menos 6 metros, onde ocorre 90% da digestão. Divide-se em três partes: duodeno, jejuno e íleo. O quimo que sai do estômago vai entrar no intestino pelo duodeno e sofrer novas alterações. É misturado pelos movimentos musculares ou peristálticos e submetido à ação de vários sucos e enzimas como a bílis, um ácido produzida pelo fígado que ajuda a queimar gorduras, o suco pancreático que contém enzimas digestivas produzidas no pâncreas e o suco intestinal, produzido no intestino delgado. A digestão do quimo termina em nutrientes ainda mais simplificados a que chamamos quilo. São estes novos elementos que vão para os vasos sanguíneos e linfáticos através de milhões de vilosidades que forram a superfície do intestino delgado. Depois de entrarem no sangue são assimilados pelas células.

Intestino Grosso

Todo o quimo que não é absorvido ou digerido pelo organismo é transportado para o intestino grosso. Trata-se de um tubo com cerca de 1,5 metros, mais largo do que o intestino delgado, constituído por três partes: cego, cólon e reto. Absorve a água e os minerais e armazena as fezes até serem defecadas e eliminadas pelo ânus.

Ânus

Orifício de saía das fezes.

Sistema Respiratório

Introdução

O ar que respiramos é vital para o funcionamento do nosso organismo. Inspiramos para receber oxigénio – o ar entra e dilata os pulmões – e expiramos para eliminar o dióxido de carbono – o ar sai dos pulmões que voltam à sua dimensão normal. Todas as células dependem do oxigénio para produzir energia e para se manterem vivas. Se esse fornecimento for cortado, nem que seja por breves minutos, os danos podem ser irreversíveis.

Em apenas 24 horas, um adulto respira ar suficiente para encher mil balões. Em média, uma pessoa com 75 anos já inspirou 224 000 metros cúbicos de ar e podia encher um balão gigante com 38 metros de diâmetro.

O sistema respiratório é formado pelo nariz (fossas nasais), garganta ou faringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos pulmonares e pulmões.

Fossas Nasais

As fossas nasais são vias respiratórias aéreas. Quando se respira pelo nariz, as poeiras e impurezas que andam no ar ficam retidas nos pelos nasais e são expelidas quando se espirra ou se assoa o nariz. As partículas mais pequenas ficam presas na mucosa que se encontra na cavidade nasal.

Faringe

A faringe é um canal musculoso comum aos sistemas respiratório e digestivo com cerca de 13 centímetros de comprimento que vai da base do crânio até à 7.ª vértebra cervical. Liga a boca e o nariz à laringe e ao esófago. O ar viaja pela faringe ou garganta, que serve também de passagem a líquidos e a alimentos, e segue para a laringe, a caixa da voz.

Laringe

A laringe fica na zona média do pescoço, abaixo da língua e à frente da faringe. É o principal órgão da voz, onde estão localizadas as cordas vocais. À entrada da laringe encontra-se a epiglote, uma cartilagem em forma de folha, que se fecha durante a deglutição para impedir os alimentos de entrarem na “caixa da voz”.

Traqueia

As vias respiratórias inferiores assemelham-se a uma árvore invertida onde a traqueia representa o tronco. Este tubo rígido feito de músculo e tecido elástico é formado por anéis incompletos e mede cerca de 12 centímetros. A traqueia é a via respiratória principal que conduz o ar aos pulmões onde se dá a troca de oxigénio por dióxido de carbono (CO2). Na sua parte inferior divide-se em dois brônquios.

Pulmões

Todo o complexo processo da respiração acontece no interior dos pulmões, os principais órgãos do sistema respiratório e os mais volumosos do corpo humano. Formados por um tecido esponjoso, de forma cónica, os pulmões estão situados em ambos os lados da cavidade central do tórax e estão contidos e protegidos na caixa formada pelas costelas. Cada um dos dois pulmões está envolvido por uma membrana, a pleura. O pulmão do lado direito tem três lobos e o do lado esquerdo tem apenas dois, devido ao local onde o coração está alojado. A base dos pulmões apoia-se sobre o diafragma e as extremidades superiores vão até ao pescoço.

Ver Vídeo

Diafragma

É um músculo que separa o tórax do abdómen. Durante a inspiração, o diafragma contrai-se e move-se para baixo, permitindo que os pulmões se encham de ar. Na expiração o diafragma relaxa e ajuda os pulmões a expulsarem o ar.

Sistema Urinario

Introdução

A grande tarefa do aparelho urinário é eliminar os produtos que prejudicam o funcionamento saudável do organismo humano. Substâncias que estão em excesso no sangue, produtos tóxicos ou resíduos são filtrados pelos rins e expelidos na urina. Estes dois órgãos controlam a quantidade de água que existe no corpo e limpam o sangue. Para poder produzir, armazenar e expelir a urina, o sistema tem dois rins, dois ureteres, uma bexiga e uma uretra.

Ver Vídeo

Rins

Os rins são os principais órgãos do aparelho urinário. Parecem pequenos feijões vermelhos localizados na cavidade abdominal, de cada um dos lados da coluna vertebral e ligeiramente acima da cintura. Cada rim pesa cerca de 130 gramas, tem aproximadamente 11 centímetros de comprimento, entre 5 a 7,5 centímetros de largura e 2,5 centímetros de espessura. Apesar das reduzidas dimensões anatómicas, os rins são os principais excretores do corpo humano, ou seja, eliminam resíduos, toxinas ou substâncias em excesso no corpo.

Os rins filtram o sangue que recebem das artérias renais e devolvem-no purificado ao organismo através das veias renais. É dentro dos rins que se forma a urina, composta por água, ureia, cloreto de sódio e ácido úrico..

Ureteres

Os Ureteres são tubos muito finos com cerca de 30 centímetros de comprimento que saem dos rins e conduzem a urina para a bexiga.

Arteria Renal

As artérias renais nascem da aorta e ramificam-se em arterícolas aferentes que fazem chegar o sangue aos rins para ser filtrado nos nefrónios, a unidade funcional renal. São eles que depuram o sangue e fabricam a urina. Cada rim possui milhões de nefrónios.

Veia Renal

São veias que nascem nos rins e transportam o sangue oxigenado para as veias cavas.

Bexiga

A bexiga é um órgão muscular, uma espécie de saco elástico, localizado na cavidade pélvica, que se expande à medida que armazena urina.

Uretra

Canal que transporta a urina desde a bexiga até ao orifício externo da uretra. No homem mede cerca de 20 cm, na mulher cerca de 4 cm.

Sistema Reprodutor

Ver Vídeo

Aparelho reprodutor masculino

A partir da puberdade, o sistema reprodutor masculino começa a produzir esperma e fica também preparado para o introduzir no corpo da mulher assegurando a transmissão da vida e a continuidade da espécie humana.

Localizado na cavidade abdominal é constituído pelos órgãos sexuais masculinos internos e externos. Os internos são os testículos, canais deferentes, vesículas seminais, próstata e uretra. No grupo dos externos encontram-se o pénis e o escroto.

Quando há excitação sexual, os espermatozoides misturam-se com os fluidos produzidos na próstata e nas vesículas seminais. O fluxo de sangue aumenta no pénis provocando a ereção. O esperma viaja pela uretra e é expulso através de contrações ou ejaculação. O pénis volta depois a ficar flácido.

Canais deferentes

Dois tubos que armazenam e transportam os espermatozoides até à uretra.

Pénis

Órgão da copulação ou copulador, situado no exterior do corpo, atravessado pela uretra por onde sai o esperma ou a urina. A extremidade chama-se glande e é protegida por uma dobra da pele, o prepúcio. Quando há excitação sexual, o pénis aumenta, endurece e fica ereto pronto para libertar o esperma através da ejaculação.

Uretra

Canal comum ao sistema urinário (conduz a urina) e reprodutor (conduz o esperma). Neste caso transporta os espermatozoides para o exterior.

Testículos

Dois órgãos de forma oval, localizados nas bolsas escrotais ou escroto, formados por canais muito finos e compridos que produzem os espermatozoides e as hormonas sexuais. Têm uma temperatura mais baixa do que o resto do corpo para garantirem a produção de espermatozoides saudáveis. Um espermatozoide mede cerca de 0,005 milímetros.

Prostata

Glândula localizada na parte superior da uretra, na base da bexiga, que também produz esperma, líquido que facilita a deslocação dos espermatozoides.

Escroto

Bolsas onde estão os testículos fora da cavidade abdominal.

Epidimios

Canais que estão sobre os testículos onde os espermatozoides amadurecem e ficam guardados.

Ver Vídeo

Aparelho reprodutor feminino

O sistema reprodutor feminino prepara-se todos os meses para o processo biológico da fecundação que pode dar origem a uma gravidez e a um novo ser humano.

As mudanças ocorrem na puberdade quando começam a ser produzidas hormonas sexuais, o estrogénio e a progesterona e se desenvolvem ovócitos, células sexuais especializadas para a reprodução produzidas nos ovários. Na fase da ovulação, a parte interna do útero fica mais espessa, pronta para uma possível gravidez. Durante a relação sexual, milhões de espermatozoides são depositados no interior da vagina mas apenas um vai fundir-se com um ovócito dando origem a um ovo. Quando não há fecundação, parte da parede uterina é expulsa pela vagina sob a forma de hemorragia a que chamamos menarca ou menstruação.

O sistema reprodutor feminino fica na cavidade abdominal e é composto por órgãos sexuais externos (mamas e vulva) e internos (ovários, trompas de Falópio, útero e vagina).

Trompas de Falópio

Estes dois tubos ou ovidutos, ligam os ovários ao útero e recolhem o ovócito que sai do ovário todos os meses. É aqui que ocorre a fecundação, o momento em que ovócito e espermatozoide se transformam numa célula única.

Útero

Órgão em forma de pera, com parede espessa e muscular, onde tem origem a menstruação e onde se desenvolve o embrião e o feto. Durante o parto, o útero expulsa o bebé através de contrações. Comunica com a vagina através do colo do útero.

Vagina

Canal com 6 a 10 centímetros que liga o útero à vulva e por onde sai a menstruação. À entrada encontra-se por vezes uma membrana - o hímen- perfurada para permitir a saída do fluxo menstrual e que se rompe nas primeiras relações sexuais. No interior da vagina, existem glândulas que segregam um muco lubrificante que facilita a penetração do pénis na cavidade uterina onde deposita milhões de espermatozoides.

Ovários

Ovários ou gónadas femininas são órgãos de forma ovoide, localizados na parte inferior da cavidade abdominal, de um e do outro lado do útero. Produzem ovócitos e hormonas sexuais. No interior têm milhares de folículos ováricos e em cada um há um ovócito, a célula sexual feminina, que mede cerca de 0,15 milímetros. Todos os meses e de forma alternada, um dos ovários faz uma ovulação. O processo começa com o amadurecimento e a rotura de um folículo de onde sai o ovócito que se dirige para a trompa de Falópio.

Vulva

Órgão genital externo, composto pelo monte-de-vénus (parte de tecido adiposo coberto de pelos pubianos) e pregas da pele ou lábios. Os grandes lábios cobrem e protegem a vulva, os pequenos lábios rodeiam o clítoris, uma das zonas erógenas femininas, o orifício urinário, por onde sai a urina e o orifício vaginal, por onde sai a menstruação.

  • Masculino
  • Feminino